A melhor noite de nossas vidas

photo-1429117237875-aa29229d99f0

Maneulla,

Poderia ter sido a melhor noite de nossas vidas. Mas você não quis. Simplesmente não quis, pegou suas coisas, vestiu suas roupas e saiu sem demostrar que iria voltar.

Fiquei atordoado o dia inteiro. Te liguei, mas você não me atendia. Te mandava mensagens e você não respondia. Fiquei pensando se tinha forçado algo que não era pra acontecer, fiquei pensando se tinha falado algo de errado. Eu simplesmente não te entendi o motivo que te fez ir embora assim, do nada.

Você fugiu de mim, como o diabo foge da cruz. Me deixou ali, sozinho, sem nenhuma explicação do que tinha acontecido. E eu queria entender, queria te entender. Mas conversar com você foi algo impossível naquele dia.

E quando finalmente respondeu minhas mensagens, disse que o problema não era comigo, era com você. Havia química, amor, confiança e muito mais entre nós dois, só que você não tinha vontade de continuar. Que era uma coisa sua, essa mania de deixar os relacionamentos pela metade, sem medo, sem consequências.

Mas tinha uma consequência, você continuava sendo aquela mulher que não deixava os outros se aproximarem do muro que você construiu em torno de si. E quando as pessoas se aproximavam, você fugia sem dar explicações. E no fim do dia, quando a noite poderia ser a melhor da sua vida, você corria pra longe de tudo e de todos.

Ainda não te entendo e, sinceramente, acho que nem sua família e seus amigos te entendem. Tão desprotegida da vida e ao mesmo tempo precisa de proteção pra tudo. Mas você nunca deixou que as pessoas te protegessem, pois quando elas estão chegando perto de te puxar da ponta do abismo, você corre para outra ponta onde não podem te alcançar.

Só peço que você me deixe te entender, me deixe conhecer quem você é por de trás desse muro construído ao seu redor. Só te peço pra me deixar entrar na sua vida sem  data de validade pra sair.

E então, você me deixa ficar?

Felipe

____________________________________________________________________________

por Agnes Martins Follow my blog with Bloglovin